segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Também se trata de uma questão de fé





Quando conheci você, 
minha fé foi recompensada. 

(TVD, S08e09)

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Aborto: De ato criminoso à ato legal




O mês de dezembro sempre desperta em mim uma certa nostalgia, aquela saudade gostosa da minha infância, dos momentos mágicos compartilhados em família, da atmosfera lúdica que o Natal traz consigo... muitas lembranças e sensações boas para recordar. E por falar em infância, em crianças, a última e polêmica pauta do momento é a descriminalização do aborto. Segundo o Supremo Tribunal Federal (STF), a prática do aborto realizada até o terceiro mês de gestação não é crime. Okay. Todavia, ...

Nós sabemos que a humanidade de um modo em geral, como também nós brasileiros, precisamos de limites para coibir ações irresponsáveis e impulsivas. A partir do momento que se banaliza a prática do aborto, possibilita que qualquer indivíduo utilize desse recurso legal como uma espécie de "anticonceptivo" retardado (após ter acontecido a concepção) para evitar uma conduta irresponsável ou ceder aos seus impulsos e instintos sexuais, como também uma forma de controle de natalidade para gravidezes indesejadas. Mas, os métodos anticonceptivos (a pílula do dia seguinte, uso da camisinha, pílulas anticoncepcionais, outros) não teriam essa função?!!! Para quê facilitar o acesso indiscriminado à essa prática, que coloca em risco a saúde física e psicológica da mulher e ceifa uma vida, quando é uma forma de premiar aqueles que tem um comportamento sexual promíscuo e/ou irresponsável?!!! Seria justo interromper vidas indefesas e inocentes em prol destes "porra loucas"?!!! Deixo essa reflexão.

Mais do que se posicionar em favor ou contra do aborto, é perceber que o brasileiro não está preparado para assumir essa responsabilidade para decidir sobre a vida de outro ser humano. Banalizar a prática do aborto, transformando-o num ato corriqueiro de decisão, incentiva o comportamento sexual irresponsável. 

- "Se eu engravidar por equívoco, eu tenho até o terceiro mês para decidir se eu aborto ou não, é isso mesmo produção?!!!"       


Sinceramente?!!! Que horror!!! Que retrocesso!!! Okay, okay, okay, se o argumento em prol do aborto é esse:  A mulher tem o direito de decidir sobre o seu próprio corpo e o seu destino e não quer ter a responsabilidade de ser "mãe solteira", que ela e o seu par (namorado, companheiro, amante, ficante, noivo, marido) tomem juntos os cuidados pertinentes para não engravidar. Porém, que a descriminalização do aborto não os transformem em máquinas de matar. Agora, sem maiores culpas éticas e morais (não é permitido?!!!) e penalizações. 

Quero deixar claro só sou à favor do aborto nos seguintes casos: Quando há má formação fetal que comprometa a saúde física e o desenvolvimento cognitivo do bebê, como os casos de acefalias e degenerativos dos órgãos, quando colocam em risco de vida da mãe e em casos de violência contra a mulher, como estupro. Nesse último caso, se a mulher tiver estrutura emocional para concluir a gestação e não estar disposta a criar a criança, a adoção pode ser uma solução viável a ser tomada.

A descriminalização do aborto traz como consequência incentivar o comportamento sexual irresponsável e promíscuo, sobretudo entre os solteiros e os casais mais jovens, como também a despreocupação com o planejamento familiar e o desapego pela vida que está sendo gerada, agora consentida e amparada por lei, sem a menor culpa ou remorso para quem cometê-lo. De ato criminoso à ato legal.    

Se não bastasse a nossa arrogância de nos acharmos "os donos do mundo", agora podemos ser "deuses" tendo o livre poder de decidir sobre a vida de outrem. Mais um passo para a toxidade do comportamento humano.    

Assim, de repente, já é dezembro...






Outra vez!!!

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Seria fácil by Luis Fonsi






(...) Pero no es fácil ya lo ves
Somos humanos
Sentimos todo y no podemos evitarlo
Hemos nacido por y casi siempre por amor es que lloramos
No es nada fácil si se tienen sentimientos
Porque la vida no es como un libro de cuentos
Y el que no siente su dolor es solo por una razón
Porque esta muerto...

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Força, Chapecoense!!!






Que horror!!!

Ninguém precisa sentir na mesma carne ou passar pela mesma tragédia humana para ser solidário à dor do outro, principalmente quando um acontecimento fatídico dessa natureza causa tanta comoção e atinge diretamente 81 famílias e seus amigos e um séquito de torcedores. Não dá para ser indiferente diante de tal calamidade.

Quanto aos sobreviventes (6), força, fé e saúde mental para superar tamanho trauma emocional e, especialmente para os atletas ter resignação para se adaptar a sua nova condição em caso de sequelas físicas que podem interferir ou encerrar uma carreira esportiva. Aos falecidos (75), luz os seus espíritos para que eles possam fazer essa passagem em paz. Às famílias e aos amigos que perderam seus entes queridos da maneira como aconteceu, deixar um afago de carinho e respeito as suas dores e sentimentos.

Apenas o tempo para dar respostas aos porquês dessa partida, dessa separação. Apenas o tempo para ensinar as famílias à se resignarem ao acontecido e aprender a lidar com a saudade e a ausência deixada. Apenas o tempo para apaziguar suas dores, revoltas e tristezas. Apenas o tempo... 

Força, Chapecoense!!! Força, familiares e amigos!!!   

sábado, 26 de novembro de 2016

Rise by Katy Perry





(...) I must stay conscious
Through the madness and chaos
So I call on my angels
They say

Oh ye of so little faith
Don't doubt it, don't doubt it
Victory is in your veins
You know it, you know it
And you will not negotiate
Just fight it, just fight it
And be transformed...

R.I.P. Fidel!!!






Hoje a esquerda latina e socialista perdeu um importante ícone político da atualidade, o cubano Fidel Castro. O seu estilo de governar nacionalista e combativo, inspirou tantos governos esquerdistas, principalmente fazendo escola na América do Sul. Sua postura extremista sempre foi vista como um perigoso risco para as democracias capitalistas, onde Cuba estabeleceu durante décadas uma conturbada e resistente relação política e econômica com os USA. 

Embora, a postura política de Fidel seja controversa, para uns, ditador, para outros, a resistência contra o imperialismo norte-americano, eu vejo a sua partida com pesar... simbolicamente, o ideal comunista torna-se cada vez mais uma mera utopia de revolucionários. Morre um ícone da política socialista mundial, junto com ele um estilo nacionalista de preservar a identidade cubana contra os embargos, sanções e boicotes políticos, econômicos e socioculturais que a ilha sofreu durante décadas, deixando-a à margem do cenário global. Enfim, a chama do espírito socialista se apagou, a paixão comunista também. 

Fidel se equivocou bastante nesse processo e isso representou um preço à ser pago, levando ao povo cubano enfrentar inúmeras crises e conflitos e compartilhar carências, sem contar aqueles que deixaram a ilha em busca de novas oportunidades de trabalho e sobrevivência, seja "convidado à se retirar" ou fugindo, mas ele foi fiel ao seu ideal e suas convicções políticas até o fim. Historicamente, perdemos uma figura política importante na luta contra a lógica perversa do capitalismo, constantemente preocupado com a unicidade do seu país e preservar a identidade cubana em prol de todos, dos interesses da coletividade (por mais conflituoso e utópico possa ser). Os socialistas estão de luto. 

R.I.P. Fidel!!!

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Just a fool by Christina Aguilera feat Blake Shelton





(...) And I
Waited and waited so long
For someone who never comes home
It's my fault to think you'll be true
I'm just a fool...

Toda mudança é bem vinda desde que não me descaracterize.





Concordo plenamente que para se viver bem e de forma satisfatória é preciso descomplicar a vida ao máximo. Muitas vezes, a nossa tendência como ser humano que somos é complicá-la sem necessidade, graças às nossas regras e ideais, nossos medos e recalques, nossa falta de coragem de ariscar, nossa maneira limitada de ver a vida, as pessoas e as situações, nossas contradições e conflitos, nossa ignorância e preconceitos enfim, tudo aquilo que possa nos limitar, estagnar e atar.

Na busca da nossa libertação, algumas regras precisam ser quebradas, outras adaptadas e aprimoradas. Uma nova maneira de experimentar à vida e de nos colocar em xeque à medida que nos faça evoluir, é uma maneira positiva de nos fazer crescer e estar preparado para enfrentar novas situações e paradigmas - novas situações também pedem novas ações e reações. Tudo está em constante transformação e você não deve estar à margem desse processo.

Todavia, nesse processo de evolução, algumas regras não podem ser quebradas porquê fazem parte de você, de tudo aquilo que te representa e te faz algum sentido e por isso merecem ser preservadas. Quando se trata da essência de um ser humano, dificilmente é alterada por se tratar da sua verdade interior. Já, em se tratando de ideologia e de comportamento podem ser alterados desde que não descaracterize os seus princípios e convicções, a sua identidade como pessoa. O que não é importante, é apenas um modismo ou uma tendência passageira pode ficar pelo caminho.

O que ficou velho, ultrapassado e deixou de representar algo importante para você perdeu o sentido e o uso, por isso pode e deve ser trocado. Todavia, nem tudo o que é tradicional precisa ser descartado, porquê algumas verdades e sentidos nunca mudam e merecem ser respeitados. Embora, não pareça, para algumas coisas eu sou extremamente conservador e para outras completamente acessível e simpático às mudanças. Toda mudança é bem vinda desde que não me descaracterize. 

Apropriando-se do nosso intelecto





Eu estava assistindo o 7º episódio de Westworld e o termo da vez foi "propriedade intelectual". Na boa, em algum momento da nossa existência cedemos a nossa inteligência à algo ou alguém, tornando-nos uma "propriedade intelectual", um mero instrumento de uso aos interesses de outrem, seja quando: Obedecemos as regras sociais e suas hierarquias, defendemos causas ou ideais que nos parecem justos, protegemos os interesses familiares, construímos um projeto de vida, executamos as nossas tarefas no trabalho, enfim, quando colocamos o nosso intelecto à serviço de outros interesses.

Conscientes ou não, acabamos nos tornando massa de manobra por uma ordem maior, alienando-nos. Algo muito perigoso quando nos deixamos manipular e perdemos o controle das nossas próprias vontades e ações, tornando-nos como marionetes ou mesmos robôs que perdem a capacidade crítica de refletir e questionar todo e qualquer contexto que está ao nosso redor. A história nos demonstrou em vários episódios como governos e seus líderes carismáticos e inteligentes tem o poder de criar os seus próprios exércitos para defenderem as suas próprias causas e interesses, anulando a capacidade de autoquestionamento dos seus seguidores e robotizando os seus comportamentos.

Para governantes ditadores e líderes corruptos, anular a capacidade de autoquestionamento dos seus comandados é uma forma de conquistar lealdade e obediência, muitas vezes cegamente, evitando dúvidas, conflitos e culpas. Uma mente não pensante não representa riscos e muito menos rebeliões. E no fundo é o que todo comando espera do seu comandado: Uma obediência incondicional e cega e uma ação mecânica, robotizada.

Em que momento você permitiu que alguém ou uma instituição se apropriou do seu intelecto?!!! Da sua força de trabalho?!!! Das suas ideias?!!! Quando você abriu mão da sua capacidade de autoquestionamento e reflexão de um fato ou situação?!!! Creio que nos deixamos apropriar constantemente, tanto a partir do nosso consentimento (consciente) quanto da nossa distração (inconsciente).         

"As lágrimas não reparam os erros!!!"

The Verve - Bitter Sweet Symphony (with lyrics)

♫ Pitty - Na sua estante

"Eu não ficaria bem na sua estante..."