sábado, 24 de junho de 2017

Burra, Arrogante e Amadora





Filhinha, você deveria ter sido bem mais inteligente e menos arrogante. Se você queria enamorar o seu marido, que já lhe confessou que ainda está apaixonado pela ex, como você quer construir novas lembranças, manter a chama do desejo acesa e desfrutar momentos calientes e para maiores de 18 anos com ele, indo parar no território dela?!!! Por favor, foi uma estratégia kamikase, basicamente um tiro no pé.

Penso eu que você deveria escolher um lugar neutro, que deveria ser marcante para vocês dois, onde ele não lembrasse dos momentos felizes que viveu com ela. É óbvio que ele iria lembrá-la e estabelecer inevitáveis comparações, amargando e estragando os seus planos. Por acaso você é burra ou inexperiente nas artimanhas do amor?!!! Eu, heim... quanto amadorismo!!!

Para um coração devidamente ocupado, não há espaço






Aquele momento em que os pensamentos vão fluindo, fluindo, fluindo e fluindo...

 

Quando você já está apaixonado, com o coração devidamente ocupado, não há espaço para você amar outra pessoa, independente se você está ou não com ele(a). Desejos e fantasias, sim. Outros amores, não - pelo menos, nunca aconteceu comigo por me faltar ganas de sair pela vida colecionando amores tudo de uma vez só e ter a tendência de ser fiel aos meus sentimentos. E realmente creio que só o tempo nos ajuda a superar de fato um grande amor que não se cumpriu ou, pelo menos, apaziguar a falta que ele produz.

Nesse contexto, não há insistência ou imposição ou estratégia ou sedução ou feitiço que apague os rastros e as marcas de um amor intenso e profundo. Como plantar em solo improdutivo?!!! Sentimentos não podem ser forçados, porém, em alguns casos pode ser anestesiado, para não se sentir dor e na tentativa desesperada para esquecer, ou manipulado, para aproveitarem-se de um momento de confusão e debilidade emocional, por um certo intervalo de tempo. Enfim, superação e esquecimento requer trabalho, requer tempo e paciência.

Todavia, há quem perde tempo e energia querendo entrar no céu à força, alimentando ilusões, frustrações, rancores, dores, enganos e falsas esperanças, insistindo nos mesmos erros, lutando por batalhas perdidas, tornando-se escravos das suas obsessões, negando o óbvio e a realidade, fugindo dos rechaços e fracassos e da solidão. Em suma, tornando-se refém de um ciclo vicioso que destrói a si mesmo e aos demais. Viver assim não dá.

Nem tão pouco acho sano culpar o outro como o único  responsável (se for) do seu infortúnio e desamor. Ou tentar se apropriar das "coisas" ou da "vida" ou da "energia" ou das "ideias" alheias como se fosse um ladrão, um vampiro, um parasita. Jamais caia na armadilha de se perguntar: - "O que ele(a) tem que eu não tenho?!!!" Não se trata do que se tem e oferece ao outro, mas os sentimentos, as sensações, as ilusões, os sonhos e as expectativas que você desperta em alguém - ou você desperta ou não. Se você tem o perfil e se adequa ao padrão ideal do outro - ou você se adequa ou não.

Pobre daquele ser que esquece o princípio básico dos sentimentos que é ser sentido, experimentado, onde eles não podem ser forçados ou comprados ou emprestados ou trocados como se fossem um objeto ou uma mercadoria ou um mero comando. Mas, eles podem e devem ser conquistados, estimulados, correspondidos, porquê devem expressar e fluir de maneira espontânea. 



... e você nem mesmo sabe o porquê.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Sexo no primeiro encontro, a escolha é sua.






Dar ou não dar, eis a questão. Há quem pule rapidamente esse dilema filosófico e existencial e vai direto aos finalmente, dando logo. Que horror, que horror!!! rs... Na verdade, eu não estou interessado em fazer juízo de valor ou ditar padrões de conduta, por isso eu deixo por conta da consciência e da escolha pessoal de cada um. Cada situação, é uma situação. Cada cabeça, é uma sentença.

Se eu já transei no primeiro encontro?!!! Já. Seja porquê me senti á vontade e em confiança para fazê-lo ou porquê o desejo falou mais alto ou porquê me senti pressionado. Das três motivações, a pior é a última porquê tudo o que é feito sob pressão é incômodo, desconfortável e nada espontâneo. Como eu sou o dono das minhas vontades e dos meus desejos, eu também sei e prefiro dizer "não", para depois do gozo não ter que me deparar com culpas e arrependimentos ou ressaca moral no dia seguinte.  

Para se fazer sexo no primeiro encontro não se precisa de padrões ou regras ou pretextos ou desculpas ou obrigações, apenas vontade de se entregar. A decisão é sua e de mais ninguém. Se é feito com consentimento, responsabilidade e com consciência, que mal tem?!!! Se você não quer, você também tem todo o direito de não querer. Os seus princípios e as suas limitações devem ser respeitados sobretudo por você e pelos demais também.

Ao meu ver, o problema não é fazer sexo no primeiro encontro, mas ter uma vida sexual promíscua. Senhoras e senhores, não vamos confundir liberdade sexual com libertinagem e promiscuidade, ok?!!! Nunca é demais ter uma vida sexual sadia e responsável.

Ação ou Intenção






Ambas. As duas são igualmente importantes, cada uma em seu devido momento. Em se tratando da primeira, ação, diante dos fatos não há argumentos e sobram consequências. E, no final das contas, o que importa mesmo são as ações, os feitos.

Quanto as intenções, não importa se são boas ou más, mas o inferno está cheio delas como prega o dito popular. Ainda mais em se tratando de lidar com as intenções ocultas dos demais, porquê nunca se sabe o que esperar delas, se flores ou punhais. O que ainda está por vir é supostamente perigoso. Por definição, as más intenções causam dano, caos, destruição. E, nem sempre, as boas intenções resultam em desfechos positivos, satisfatórios, porquê ter bons sentimentos e querer ser prestativo nem sempre é garantia de êxito, de salvador da pátria.

Sobre as minhas ações, "echo, pecho", arco com as consequências delas. Já as minhas intenções, tem para todos os tipos e gostos, porquê, embora eu não tenha talento para ser mártir ou o mocinho da história, trato de ser justo quando a causa é justa. As minhas boas intenções existem, mas não saio por aí distribuindo à toa como se fosse esmola aos desvalidos (apesar da causa ser justa e necessária, apesar de não ser a solução) ou miolo de pão amanhecido aos pombos ou as carpas.  O meu lado vilão fala mais forte, está mais sábio e prudente, mas não é nada básico ou ordinário ou primal ou sanguinário. Eu deixo a vida cobrar o que tenha que cobrar, sem precisar sujar as minhas mãos ou criar planos mirabolantes e diabólicos, apenas me sento e fico esperando o desenrolar dos acontecimentos.

Nem de todo bom, nem de todo mal. Com boas e más ações. Com boas e más intenções. Simples assim ou nem tanto.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Aquelas sentimentalidades...





(...) Tinha suspirado, tinha beijado o papel devotamente. Era a primeira vez que
lhe escreviam aquelas sentimentalidades, e o seu orgulho dilatava-se ao calor
amoroso que saía delas, como um corpo ressequido que se estira num banho tépido;
sentia um acréscimo de estima por si mesma, e parecia-lhe que entrava enfim numa
existência superiormente interessante, onde cada hora tinha o seu encanto
diferente, cada passo conduzia a um êxtase, e a alma se cobria de um luxo
radioso de sensações!!!
 
 (Trecho da obra Primo Basílio by Eça de Queiroz)

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Maria Eugênia declarando-se à Emiliano





Yo a usted lo amo Emiliano como ama la gaviota al cielo y al azul del mar, como ama el niño a los ojos de su madre cuando la ve inclinada sobre el, como el sol que espera todo el dia para entregarse a la noche en los besos que le roba cuando se asoma el atardecer . 

Abrazame fuerte y nunca te asustes si me vez llorar porque aora mi miedo mas grande, es que tu te desvanescas y yege el dia en que yo descubra que no fuistes mas que un sueño, moriria entonces marchita como mueren las rosas olvidadas por los pajaros y la lluvia, 

Nunca amor mio me atropelles, nunca me hagas daño seria tan facil destruirme, porque no vengo a ti con arma alguna, vengo con el corazon desnudo arrodillado y vencido, perdida cualquier batalla antes de iniciarla yo soy tu pricionera, soy la humilde luz que titila alto en el cielo aguardando tus sueños para posarme silenciosa sobre tus labios dandote en cada beso un nuevo trozo de mi alma que ya no tengo porque haora yo soy tu y si quisiese ser otra seguiria siendo tu. 

Amame emiliano como si fuese un niño porque con esa dulsura sin malicia alguna te estoy entregando mi vida si halgun dia dejases de amarme, nunca me lo digas vete donde yo jamas pueda encontrarte, la verdad me mataria y si de saber que ya no me amas, podre vivir con el dulce sueño de haberte tenido y el dulce recuerdo de tus besos. 

 (Mariú, cap. 57)

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Quando há diferença de idade







Quando se trata de relacionamentos com diferença de idade, eu acredito que eu entenda um pouco sobre esse assunto, porquê todas as minhas relações, namoros, rolos e afins, tiveram esse padrão. Sempre gostei de namorar pessoas mais experientes e mais velhas do que eu por me sentir mais à vontade, cuidado e compreendido. Como eu sempre fui o filho caçula e consentido da minha casa, tirando os meus sobrinhos, isso se refletiu nos meus padrões afetivos e relacionamentos. O fato de você ser o mais jovem do casal necessariamente quer dizer que você seja infantilóide, pelo menos, sempre destacaram em mim o fato de ser bem maduro apesar da pouca idade. Nunca gostei de dramas e dilemas adolescentes. Sempre preferi aprender do que ensinar as artimanhas do amor.

Todavia, não quer dizer que a vida não tenha me colocado do outro lado, duas vezes. Quando você atravessa o outro lado, a perspectiva é outra. Por isso, eu tenha me perdido de várias maneiras, principal e definitivamente porquê eu não tenha instinto paternal e, muito menos, paciência para cuidar dos outros. Porém, ambas as experiências foram as mais intensas e desafiadoras da minha vida. As demais eu tirei de letra porquê eu estava na minha zona de conforto, sem ter que abrir mão ou me preocupar com o meu status de filho, em ser o mais novo e sem pressão por não ser o mais experiente - até certo ponto, a imaturidade é aceita e justificada.

Todavia, o tempo passou e eu não tenho mais vinte poucos anos. Natural e cronologicamente, se eu quiser continuar com esse padrão, de diferença entre idades, vai ter que despertar em mim o meu instinto paternal e assumir o papel de professor - ai que preguiça!!! Não sou chegado à jardim de infância. Também existe a limitação de que a faixa etária que me atrai vai até os 50 anos, dependendo do estado de atração e conservação. Não sou historiador ou museólogo para gostar de múmias ou pretenda assumir a condição de "bengala" ou "fralda geriátrica". Também me resta me relacionar com idades aproximadas da minha. Enfim, o leque de possibilidades vai ficando cada vez mais restrito com o passar dos anos.

Sobre esse assunto eu aprendi que; Se adapta melhor quem não tem preconceito quanto à diferença de idade, sobretudo quando as gerações não são tão aproximadas, porque as diferenças vão surgindo e pesando no decorrer da convivência; quem é autoconfiante e seguro de si mesmo, sobretudo pela questão de idade que tenha, seja ela maior ou menor com relação ao seu par, e maturidade; e não pode ser refém da ansiedade, querendo projetar e planificar uma vida à dois em longo prazo, porquê viver o presente é o mais factível e concreto, onde a relação é construída dia-a-dia, sem pressa, o time é mais imediato porquê não há tempo para ser desperdiçado.

Enfim, quem se aventura nesse tipo de relacionamento tem que ter estrutura emocional para lidar com o olhar preconceituoso dos outros, as suas próprias inseguranças, desconfianças, limitações e urgências. Pode dar muito certo, independente do tempo que essa relação possa perdurar, porque o que importa não é a quantidade, mas a qualidade dos dias vividos juntos.      

Se eu te vi, não me lembro





Mamãe dizia que eu era muito egoísta e só pensava em mim. Talvez, por isso, eu tenha memória seletiva para armazenar fatos e rostos que me interessam. Ou então, é uma severa crise de memória, coisa que eu realmente duvido, ou foi um lapso da minha parte por ser desapegado ou desatento. Todavia, não é a primeira vez que eu me deparo com aquela abordagem clássica: -"Hei, você se lembra de mim?!!!"

Mais uma vez eu respondi a mesma coisa: - "Nã0". Não, de não me lembro mesmo, limpo e seco. Aaah, sem constrangimento ou culpa em dizê-lo, afinal estava apenas sendo sincero como de costume. Ser monossilábico é o suficientemente necessário quando você é abordado por um estranho, pelo menos, me ensinaram desde pequeno não falar com gente estranha. Também não cabia adicionar mais palavras porquê não se tratava de uma informação e, muito menos, iniciar uma conversa porquê não me interessava e nem era interessante. Simples assim.

Pode até ter soado antipático da minha parte, sem problema nenhum porquê eu sou pouco sociável mesmo, mas, não é do meu feitio sair distribuindo sorrisos, beijos, afagos e apertos de mão em vão, nem para conhecidos e desconhecidos muito menos. Em momentos casuais, eu prefiro que as reações e sensações sejam espontâneas, fluam naturalmente.

Se eu me fiz de interessante ou esnobe, dissimulando que eu não o conhecia, não foi o caso. Apenas não conhecia, nem de vista e nem dando-me referências. Houve um tempo em que estar no mundo, fora de casa, era o meu lugar. Muita gente me conhecia de vista ou por ter amigos e conhecidos em comum, então suponho que deve ter lembrado de mim por isso. Porém, se é que eu o tenha visto antes, eu não me lembro.

Sober by Lorde






(...) Ain't a pill that could touch our rush
But what will we do when we're sober?!!!

quarta-feira, 14 de junho de 2017

La Despedida by Julio Cesar





(...) Desde el momento en que me hablaste supe que teníamos sed
De tantos tantos besos, como los nuestros y de nuestra piel
Pero a pesar de esto tan fuerte, tan ciego, tan intenso
Llegó el adiós en manos del dolor
 Desde el principio yo sabía que este día llegaría
Después de mil y un momentos de locura y alegría
Te amé con toda mi energía, me dista tanta y tanta vida
Que hoy es tan duro y tan profundo desprenderme de tu voz...


"As lágrimas não reparam os erros!!!"

The Verve - Bitter Sweet Symphony (with lyrics)

♫ Pitty - Na sua estante

"Eu não ficaria bem na sua estante..."