quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Suit & Tie by Justin Timberlake feat Jay Z




(...) Now we're in the swing of love
Let me show you a few things
Show you a few things about love...


Não permita que a maldade do mundo afete você!!!






"Que o horror do mundo não infecte os seus sonhos". 

(Fear The Walking Dead, S2E12)

Nunca é fácil dizer adeus.





"E cada vez que dizemos adeus, nós morremos um pouco". 

(Batman vs Superman - 2016)



Sem sombra de dúvida. Seja diante de uma morte simbólica, uma espécie de "morte em vida" - Quando um ciclo em nossa vida é encerrado ou abrimos mãos de um sonho ou desejo ou objetivo ou acontece uma mudança significativa no nosso jeito de ser, pensar, agir e sentir ou simplesmente quem foi embora de nossas vidas; ou diante de uma morte definitiva, do último adeus. Nunca é fácil despedir-se, seja em que circunstâncias forem.  

É deixar para atrás parte de você, sabendo que não irá mais voltar. Eu já morri algumas vezes.

Batman vs Superman (2016)







Com o passar do tempo, a humanidade também vai evoluindo no seu retrocesso, confirmando o seu caráter contraditório. As prioridades também mudaram: Antes, buscava-se "conquistar o mundo", hoje, "destruí-lo". Essa mensagem ficou plasmada nesse filme, a partir do momento em que a causa terrorista também é incluída na luta do homem por sua cede de vingança pessoal, intolerância às diferenças e ganância desenfreada por poder. Seja para conquistar ou para destruir, a perda da vida e da dignidade humana sempre será um efeito colateral diante da barbárie humana.

Por sua vez, Lex Luthor (o filho) consegue superar o seu pai, onde astutamente manipula e induz o grande encontro: Batman vs Superman, criando uma rivalidade entre eles, dividindo os heróis e as suas forças. Diante da sua obsessão doentia em matar o Superman e mostrar-se superior do que seu próprio pai, seu maior rival, Freud também explica, Lex conseguiu o seu objeto, enfim, o "False God" morreu.

Com relação ao encontro entre Batman e Superman, fica bastante evidente o que difere um super-herói do outro: Batman é regido pela vingança, onde Bruce Wayne nunca superou à morte violenta dos seus pais - a sua criança interior sente-se sozinha e ainda chora essa perda; já o Superman é motivado por sua nobreza, sendo alvo da ingratidão, da injustiça e do julgamento equivocado de meros terráquios. E, cá entre nós, Kal-El não deve nada à Terra, muito pelo contrário: É a Terra que deve á ele e sua generosidade.






Quanto à sua morte, se não agradou no universo dos quadrinhos (os comics), imagina no cinema. Mas, a magia do cinema é assim: Mata-se e ressuscita-se histórias, vilões e heróis na hora que se quer, não respeitando a linha de coerência e a cronologia dos fatos, sendo uma caixinha de surpresas, podendo desagradar ou não o público. E o sofrimento de Lois Lane?!!! Sempre muito contida em suas emoções e reações. Se não fosse assim, não seria Lois Lane. Sempre tão racional e temerosa em demonstrar ao mundo a sua fragilidade e vulnerabilidade.

Porquê só agora eu estou postando sobre o filme se ele foi lançado no final de março?!!! Simples, porquê só agora eu o assisti online. rs... Vale para entreter e repensar algumas questões mencionadas anteriormente. Fica à dica. Essa temática dos Super-Heróis sempre alimentam a minha criança interior, reflexo de uma certa nostalgia infantil. 

What hurts the most (slow version) by Cascada




(...) What hurts the most
Was being so close
And havin' so much to say
And watchin' you walk away

And never knowin'
What could've been
And not seein' that lovin' you
Is what I was tryin' to do...

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Siga seu rumo!!!




A pergunta que não quer calar, mas... bem que poderia!!!






- "Porquê você me abandonou?!!!"




Como?!!! Alto lá!!! Aqui ninguém abandonou ninguém, rompemos de comum acordo, lembra-se?!!! Eu apenas tomei a iniciativa que você não tomou por sua covardia. Simples assim. Enfim, se aos 20 eu já me negava em estar num relacionamento completamente insatisfeito e já não estando mais enamorado, agora, quase aos 40, penso da mesma forma: Antes só do que mal acompanhado.  


Depois de tanto tempo, porquê você me faz uma pergunta tão embaraçosa quanto essa?!!! Sim, embaraçosa tanto para mim quanto para você. Todavia, as suas motivações não me interessam. Tanta água já passou por debaixo da minha ponte... Tantas coisas aconteceram desde então... A nossa história foi superada. Outros relacionamentos vieram. Descobri a sensação de ter vivido um novo amor, diferente de tudo o que eu havia provado antes, depois o perdi. Aprendi a seguir em frente mais uma vez. Superei novamente e, definitivamente, o que tivemos ficou no passado, pois eu não tenho a menor intenção de resgatar o irresgatável e, nem tão pouco, te incluir novamente no meu presente - já não temos mais nada em comum. Será que algum dia tivemos?!!! 

Sinceramente?!!! Você poderia ter me poupado dessa pergunta tão inapropriada, imprudente e sumamente desnecessária, até porquê você sabia muito bem qual seria a minha resposta. Se você alimentou alguma expectativa de reviver o passado como também algum tipo de ilusão em ter-me de volta, sinto muitíssimo em te dizer: O problema é seu e o que tivemos ficará aonde tem que estar no passado, de preferência morto e enterrado e, se não for pedir muito, esquecido!!! Sem ressentimentos apenas não me interessa. Aquele Daniel (2001 - 2004) também ficou no passado.  

Algumas perguntas precisam de respostas imediatas para não acontecer o que aconteceu contigo - Estar a mercê de uma dúvida que ficou ecoando por anos em sua cabeça, iludindo-te e acorrentando você ao passado. Agora, resposta dada, melhor dizer confirmada, você pode seguir o seu rumo, não pensando mais em mim e nem naquilo que tivemos e, por fim, estar livre para valorizar com quem você está no momento- nem ao menos, você está vagando pela solidão. Não faça de mim uma sombra ou um fantasma para o seu relacionamento atual, por favor. Faço parte de uma outra categoria de ex: Aquele que não incomoda e nem interfere na relação alheia. Jamais me comportarei como um clássico ex: "no sense", pentelho e psicopata.   

Sem mais palavras e delongas, apenas espero: Cair no seu esquecimento e que você siga o seu rumo à caminho da felicidade.  



sábado, 24 de setembro de 2016

Gente indecisa me dá uma flojera infinita!!!

Esse é o tipo de situação que me desagrada muitíssimo. Que flojera me dá gente indecisa!!! Se aos 20 eu já não admitia alguns padrões de comportamento, imagine agora com quase 40: Sinto, mas... não dá. Passo à vez!!! 

Em algum momento da vida, todo mundo tem o direito de estar confuso e ter os seus dilemas à resolver. Até aí, tudo bem. Compreensível. Porém, o que não é de direito e nem tão pouco justificável, é sair por aí arrastando os outros em suas dúvidas, sobretudo quando se trata de relacionamento. Estar dividido, entre dois interesses, dois sentimentos, é algo que sempre gera conflitos - num triângulo amoroso, sempre alguém sai devastado, em especial em alguns casos, todas as partes envolvidas. 

As vezes que a vida me colocou nessa situação, em todas elas, sem dúvida nenhuma, escolhi o meu lado, me dei ao meu devido valor: Saí de cena. Fazer-se de lado é uma maneira de não aviltar contra a própria dignidade e nem servir de capacho para as dúvidas, as humilhações e os desmandos dos outros. 

Okay. Você está com dúvidas?!!! Vá resolver a sua vida, quando você resolvê-la e, se eu ainda estiver interessado em você, depois conversamos. Se não... Enfim, quem quer estar com você, não duvida e não precisa ter várias cartas debaixo da manga para não ficar sozinho. Há quem tenha entre mãos o baralho inteiro. 

Indecisão, inconstância e até galinhagem, não me agrada em nada e nunca fez o meu estilo de ser e agir. E, nem tão pouco, eu não tenho paciência para ficar à mercê das oscilações alheias. Gente indecisa é o erro e me dá uma flojera infinita.    


    

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Love Is A Battlefield by Sada Vidoo




(...) No promises, no demands
Love Is A Battlefield...

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

O desfecho das separações é sempre igual




O que difere o final de um relacionamento de uma celebridade para os demais anônimos é a grande exposição e especulação que gira em torno do caso nas mídias sociais e sob os olhares curiosos do público. A dinâmica do conflito é a mesma, independente das causas que ocasionaram à separação,  seja para a Angelina Jolie e o Brad Pitt ou para a Fátima Bernardes e o William Bonner ou para a Maria e o José da esquina. Sinceramente?!!! Os porquês de suas separações não me importam em nada e nem tão pouco vão mudar a minha vida. 

Se foi devido à rotina, alguns casamentos se deterioram com o passar do tempo e o desgaste do dia-a-dia, porquê apesar da aparente estagnação da relação, as pessoas, os seus projetos em comum e os seus sentimentos mudam. Tudo está em constante movimento até quando não se nota. 

Se foi por causa de uma terceira pessoa, se alguém interferiu na relação do casal e foi a semente da discórdia, é porquê havia espaço para isso. Se trata de uma "paixão antiga", é evidente que o passado não foi superado - se tivesse sido, não seria um risco e nem causaria arrepios. Se foi um novo amor,  surgiu um novo sentimento.

Seja qual for o motivo, só diz respeito aos afetados e é totalmente de foro íntimo e privado. E, diante do conflito, conflito esse que não compete à ninguém somente ao casal envolvido. Qual é o motivo de tanto alvoroço?!!! Casa-se e separa-se todos os dias e isso ainda não é o final do mundo, pelo menos não para mim. 

O importante não é morrer por um amor que se foi ou substituí-lo por outro para ocupar um lugar disponível, mas superá-lo. Seguir em frente, sem que existam maus resolvidos e antigos afetos que sirvam como âncoras, correntes, algemas e grilhões que nos deixam presos ao passado e não nos permitem evoluir em rumo ao futuro.  

Resumo da Ópera?!!! O que há em comum em todas as separações?!!! O sofrimento em admitir que ACABOU, the finish, game over, the end.       

"As lágrimas não reparam os erros!!!"

The Verve - Bitter Sweet Symphony (with lyrics)

♫ Pitty - Na sua estante

"Eu não ficaria bem na sua estante..."