segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Feliz 2013!!!




Meus pensamentos ecoando... 


sábado, 29 de dezembro de 2012

Busquei e encontrei...




Aos poucos, eu estou voltando ao mundo real após um longo período de autoresgate. Nesse período, eu me afastei de muitas pessoas, algumas voluntariamente, outras nem tanto, mas, é o meu jeito de ser: Isolar-me do mundo, embora não seja nada pessoal, quando eu preciso equilibrar o meu eu interior, colocar as ideias e os sentimentos no lugar. O fato é que eu me tornei muito mais presente na vida de quem estava  longe do que daqueles que estavam perto. 

Ficou aquela sensação: 

- "E os meus amigos próximos cadê?!!!"


Quem não compreendeu o meu distanciamento, quando deveria compreender (se é que deveria ou teria sensibilidade para isso), das duas uma: Esqueceu dessa minha faceta ou a amizade não era tão sólida assim. Porém, nada de fazer exigências ou reclames. Reconheço que também dei abertura para isso. 

Então, fica o desafio de reconquistar as amizades de quem vale a pena pelas pessoas que SÃO e fazer novas amizades, desde que naturalmente. No mais, vamos que vamos... antes só do que mal acompanhado.  

  

Sem dúvidas...



quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Passsssss sa, já de castigo!!!




Esse meu cupido não dá uma dentro!!! 

Affew!!!

Conselho para um amigo




Meu amigo, 

Pelo pouco o que eu observei, é nítido que se trata de uma persona mimada, insegura e carente, exigindo presença, atenção e afeto muito além do que você poderia dar. Em curto prazo, quando se gosta dá para tolerar e até mesmo fazer vista grossa. Todavia, projetando no tempo, à médio e longo prazos, comportamentos assim ajudam a deteriorar a relação, tornando a convivência mais difícil. Até que ponto a sua personalidade é capaz de lidar com isso?!!! 

E... também, não é nada confortável estar numa relação em que você acaba gravitando ao redor dela em função do conforto e das oportunidades em que o dinheiro pode proporcionar, justamente por estar subordinado à dinâmica da relação. Quando há um déficit nas contas bancárias, é natural que haja uma relação de poder e o comando esteja nas mãos de quem pode faturar mais.  A posição "eu mando e você obedece" vai se evidenciando com o tempo à medida em que você vai cedendo a todos os caprichos sem perceber e vai criando um ciclo de dependência financeira para estar junto, revelando a sua ausência condições financeiras como provedor e uma certa acomodação para querer agradar o outro e desfrutar da situação.

A cobrança sempre vem em tom de pequenas críticas, até o dia em que ela surge claramente, sendo jogada na sua cara como se fosse uma cuspida ou um bofetão. Uma relação saudável também precisa se equiparar na voz de comando e na questão financeira.

Pense nisso.

Nerudiando sobre a timidez





Concordo. Se você se deixar domar pela sua timidez, torna-se refém da insegurança e do medo e consequentemente acaba se refugiando na própria solidão. A tendência é cair no isolamento por optar pela autoproteção contra as frustrações e  pela segurança de se manter a salvo na zona de conforto.

Reflexão em duas partes: Concordo e quase concordo.






"No final das contas, você não vai achar quem você sempre procurou"... 

Concordo, porquê, limitar-se ao padrão ideal criado sempre será uma aposta de risco, uma vez que é muito  difícil, cruel e injusto para alguém encarar essa responsabilidade. Será que existe alguém no mundo capaz de se encaixar completamente nas suas expectativas e idealizações?!!! É um fardo muito grande tentar ser um personagem criado pela sua própria ficção.  E existem pessoas tão obtusas sobre esse aspecto que seguem os seus padrões à risca, não abrindo mão de nenhuma exigência e, ao adotarem essa postura rígida de seleção, elas acabam por não aceitar o outro como realmente são. Perdem a oportunidade de se permitir a conhecer o outro, mesmo que eles apresentem parte das suas exigências. Se não for tudo ou mais próximo do perfeito não serve, como se a perfeição fosse para o alcance dos meros mortais. 


"E sim se encontrar com alguém que sempre esperou por você!!!" 

Isso faz um certo sentido, porém, existe um aspecto que me causa um certo desconforto. Só seria ideal se a reciproca fosse verdadeira. Nem sempre quem nos espera encontrar cai nas nossas graças, nos levando a primeira parte da reflexão. Me incomoda essa percepção de que: A gente tem que gostar de quem gosta da gente; como se apenas isso fosse o suficiente para gostar e se relacionar com alguém. Aceitá-la cegamente como se fosse a única e última opção que restasse para você - É o que temos para hoje, soa até como uma escolha desesperada. E o que nós gostaríamos de encontrar em alguém também não conta?!!! Alguns gostos são indissociáveis justamente porquê cada um tem um padrão, um gosto específico que conduz a sua escolha.


A grande questão não é o que ou quem se escolhe, porquê cada um acaba elegendo os seus gostos e as suas escolhas, mas, o grande desafio é não se tornar escravo delas e saber ser flexível quanto as variações dessas escolhas acontecem e quando nos deparamos com o novo. É preciso ser perspicaz para perceber que, apesar desse novo fugir do nosso plano inicial, isso não implica em dizer que ele não seja interessante por sua originalidade, apesar da nossa cegueira que nos impede de perceber isso à priori.  Cuidado com a rigidez da sua busca e  escolha para você não fazer parte daquele seleto grupo: quem muito escolhe acaba só


Transgressão pertinente




Transgredir no sentido de transformar as regras e as percepções, perceber todas as contradições e alienações que nos aprisionam e degradam como indivíduos sociais e seres únicos que somos. É nesse sentido no qual eu defendo a transgressão como forma de libertação, redenção e autoafirmar a sua essência interior, opondo-se a sua conotação pejorativa de desordem, bagunça e canalhice.  

Você pode mudar as regras do jogo, criando as suas próprias sem ser desleal com os outros e sem se tornar um marginal por isso. Transgredir é ter coragem de andar na contramão, porquê andar na contramão é uma forma de se diferenciar na multidão e ter a opção de escolha, pensando, agindo e sentindo de acordo com as suas verdades e a tudo aquilo que lhe faz sentido, apesar das diferenças e das incompreensões.

Transgredir é existir, é materializar a sua personalidade e vontades. É ser indiscutivelmente, seja o seu lado bom e aceitável ou a sua antítese. Só apenas transgride na vida quem tem a coragem e a sabedoria de saber ousar na medida certa, em seu favor ou de uma causa maior. 

Transgrida, cause, seja você.

A esperança tem o poder de desarmar




Quando a gente tem a esperança viva dentro de nós, a tendência é acreditar que da próxima vez poderá ser diferente, levando-nos a abaixar a guarda e algumas resistências. E, se houver envolvimento, desarma-se. Alguns mais, outros menos. Eu acho que eu faço parte da segunda categoria, enfim, a vida me fez assim a partir das experiências que eu tive.

Você já percebeu que é em nome dessa esperança que você se pega: Esquecendo algumas lições importantes, que jamais poderiam ser esquecidas; repetindo alguns erros clássicos e vícios de comportamento; fazendo vista grossa para evitar alguns conflitos e desentendimentos; relevando e perdoando algumas falhas; não enxergando alguns defeitos e desvios de caráter; ignorando alguns sinais e alguns fatos importantes; colocando panos quentes e contornando algumas situações e até justificando o que não deveria ser justificado?!!! 

Em algum momento, é muito possível que todos nós tenhamos feito isso para tentar chegar num patamar maior da relação, seja para ir adiante ou tentar preserva-la. Isso se chama fazer concessões. Não é de todo mal, até porquê, para construir uma relação é importante ser flexível e aprender a ceder. Porém, quando isso se torna uma cegueira bem diante dos seus olhos ou uma estratégia de submissão, torna-se uma arma contra você.

Particularmente, eu acredito que não se deva fechar os olhos para tudo, pois o pior cego é aquele que não quer enxergar, seja por qual conveniência for. Quando você me disse que não tinha ações tão nobres quanto as minhas, eu não deveria ter feito pouco caso ou deixado passar como se fosse uma confissão banal - Como isso aconteceu bem no começo, eu achei melhor passar. Diante desse tipo de sinal não dá para ser complacente.  Ainda bem que não foram criados vínculos mais profundos e enraizados, se não eu teria dado um tiro no meu próprio pé. Esse é um exemplo claro de que não dá para cochilar quando o assunto é confiar nas pessoas. 

Por outro lado, seria muito chato e mecânico ficar 100% em alerta. Acabaria com toda a espontaneidade do envolvimento e criaria uma constante paranoia. O importante mesmo é aprender a detectar tais sinais no momento exato para evitar que você não se torne um refém do seu algoz/ inimigo íntimo. No entanto, onde houver esperança sempre haverá o poder de desarmar. Quem nunca se desarmou?!!!     

As (minhas) regras do jogo




2013 está chegando e é natural aproveitar esse momento da passagem para fazer algumas reflexões importantes sobre o que aconteceu de relevante comigo e reavaliar algumas atitudes tomadas. Não me proponho a fazer uma retrospectiva detalhada, nem mesmo breve, porquê não aconteceram tantos fatos extraordinários assim que mereçam ser pontuados. O mais importante que aconteceu comigo foi me resgatar dos dois últimos anos. Desde quando eu me protegi do furacão Baisch, por todos os motivos que eu já retratei na época, eu me fechei em mim mesmo, deixando que a minha auto-estima caísse e, como consequência disso, eu fui engordando, engordando, engordando... Eu nunca engordei tanto como nos últimos 17 anos.  De certa forma, o cansaço, a mágoa e a decepção me fizeram afastar de quem eu era. 

Me isolei de tudo e de todos, chutei o balde, literalmente, e me entreguei às gostosas tentações da gula. Mas, nesse ano, eu quis fazer algo por mim: Me resgatar, me valorizar e emagrecer não por ninguém, mas por mim mesmo. Desde então, venho investindo em mim, deixando a apatia de lado e recuperando a minha força interior e a minha vaidade. E, nesse processo, agi como eu acredito que deveria ser e senti, voltado para mim mesmo, para as minhas questões, os meus dilemas e o meu resgate. O meu afastamento foi mais do que necessário, embora tivesse quem não compreendesse. Porém, também não me senti forçado a dar maiores explicações, o que de fato não dei.  Fui egoísta, me desapeguei ao que/quem estava ao meu redor. Precisava de mim em primeiro lugar.

Desde maio, comecei a fazer a minha dieta e de lá pra cá, estou muito contente com os resultados alcançados. Estou mais satisfeito comigo mesmo, com a imagem refletida no espelho, mais confiante, com mais bom humor, melhor disposto e voltando a interagir de maneira mais agradável com as pessoas - mas, não forçando nenhuma aproximação, deixando as relações fluírem ao seu tempo e ao seu modo. Eu sempre opto pela sinceridade e espontaneidade, não me forçando a agir obrigado, seja em que situação for. Chato ou não, eu sempre tive o gênio muito forte, principalmente para me impor contra a qualquer tipo de controle sob a minha vida e dependência afetiva. 

Confesso que em 2012 eu tinha colocado como meta não me envolver com ninguém. De certeza forma, cumpri. Até porquê não surgiu ninguém que eu pudesse definir como determinante para isso. Conheci algumas pessoas, mas, eu não estava preparado para me envolver, por isso, não houve um aprofundamento maior. Estar bem consigo mesmo é fundamental para você estar com a sua auto-estima em dia para estar por inteiro, muito mais confiante para se deparar com o olhar crítico do outro e se entregar.  Apesar das paqueras, dos flertes e investidas, eu não me entreguei.    

E agora que eu estou voltando para o peso que eu quero, cada vez mais perto e muito mais estimulado para alcançar, eu me pergunto se realmente eu estou preparado para enfrentar as regras do jogo. Regras essas que, em parte, eu discordo pelo fato de serem regras tão vazias de significado e banais. Elas acabam nos colocando como mercadorias substituíveis e descartáveis, graças à fragilidade com que as relações estão sendo construídas, sem ausência de valores e comprometimento. 

Tudo o que está aí e a forma como os solteiros estão se comportando me enoja profundamente. A falta de foco (apesar da internet facilitar o acesso e a aproximação, também promove negativamente a substituição dos pares e alta rotatividade das relações de uma forma bastante rápida,  vulgar e vazia, onde você tem a possibilidade de conhecer várias pessoas ao mesmo tempo, sem se fixar em ninguém) e falta de respeito com os sentimentos alheios. Diante de tanta facilidade, inclusive na questão sexual, cada solteiro acaba sendo um produto com data de validade a vencer. Essa dinâmica me causa um grande desgosto.   

Sinceramente, não estou preparado para me tornar mais um solteiro na prateleira para ser escolhido, usado e jogado fora. Nem faço questão de sê-lo, o que me deixa a margem do processo e dificulta ainda mais as minhas possibilidades de abrir mão da minha solidão. Mas, namorar pessoas descentes e decididas com um propósito sério está cada vez mais raro, porquê, pessoas com esse perfil está em extinção. Não me interessa me nivelar por baixo e nem agir banalmente porquê a maioria faz. 

Embora o meu padrão de qualidade se engane às vezes, eu acho ainda mais digno e mais confortável criar as minhas próprias regras para jogar esse jogo, enfim, my castle, my rules. No entanto, jogar esse jogo não é tão fácil e blefar seja uma prática comum pela grande parte desses jogadores, amadores ou não.  Quais são as minhas regras?!!! Tem muito mais a ver como a forma de ver a vida e a maneira como se comporta para construir as relações, desde que seja baseada na retidão do caráter (sinceridade, honestidade, lealdade e parceria), no comprometimento com o outro (fidelidade, respeito, empenho) e na reciprocidade dos sentimentos. A questão física e sexual depende unicamente das afinidades e da química que envolve o sexo. 

No entanto, qualquer teoria cai por terra quando o sentimento acontece e o coração fala mais alto. Não é tão fácil e talvez nunca será ou estejamos completamente preparados para essa roda-viva de emoções e sem nenhuma segurança e garantia. Por isso, diante de toda complexidade para se envolve com alguém, é preciso ter bons propósitos para isso, sobretudo tendo planos em comum e muita vontade para caminhar junto, venha que obstáculo vier.    

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Pós ceia de natal, sobrevivendo aos clichês




A sabedoria e os seus clichês. Nada mais comum e usual que não possa ser observado e também trazer alguma lição importante para as nossas vidas, apesar de toda trivialidade irritante. Estamos no final do ano e a magia do natal está aí, mesmo que alguns não consigam percebê-la ou tentem negá-la pelo desânimo que consome as suas almas e os seus corações. É nesse momento em que é natural perceber com mais nitidez alguns reclames e problemas submersos, nos mostrando que nem tudo são flores ou não são completamente perfeitos. 

Mas, apesar dos nossos problemas ainda continuarem ali, existindo, magoando e não desaparecendo durante as festividades de finais de ano, se pararmos para observar atentamente e com sabedoria, sempre haverá alguém com alguns problemas ou insatisfações maiores e piores do que os nossos - cada um com a sua cruz, com o seu calvário. É claro que perceber a dor do outro não serve de consolo, mas, nos faz perceber que podemos estar aumentando as nossas tormentas com uma lupa e nos incentivar a dar o próximo passo diante da resolução.  A resolução dos problemas depende da maneira como nos posicionamos diante deles. 

Esse ano eu optei por uma noite de natal bem mais solitária e intimista, embora, não tenha deixado de interagir com as pessoas. Adoro esse período, acho a época do natal mágica, graças aos maravilhosos natais da minha infância junto com a minha família. Mas, todo o glamour perdeu-se um pouco desde a partida da minha mãe. Embora eu tenha optado pela tranquilidade, não posso dizer que foi ruim ou tenha algum reclame a fazer. Fiz o que eu considerava ser certo para mim. 

Talvez, as minhas motivações se tornaram tão insignificantes se comparadas as outras insatisfações que eu percebi hoje, pós-ceia natalina. Observei as reações de alguns amigos do facebook, reclamando e chateados com as suas noites de natal: Algumas razões justas, outras nem tanto assim, mas, o fato é que há no mundo e ao meu redor pessoas em piores situações que a minhas. Vi amigos chorando as suas perdas recentes, pois, eu sei muito bem o que é a dor de perder um pai e uma mãe nesse período - isso sim, para mim, é sentir A DOR DA PERDA. Também vi amigos reclamando por passarem a ceia do natal sozinhos por não ter uma outra opção, longe dos parentes e dos amigos.  Vi briguinhas desnecessárias de casal por terem passado o natal longe um do outro, como se isso fosse o fim do mundo e o exemplo máximo da carência humana e da dependência afetiva. Outros reclamando que não ganharam o bem material que desejavam... Enfim, cada um com as suas insatisfações e os seus monstros.  

Se observarmos bem para a sabedoria que alguns clichês representam, não ignorando as suas próprias mensagens apesar de aparecerem óbvias, podemos encontrar a simplicidade e a leveza necessárias para encarar os nossos dilemas e encontrar a saída dos nossos labirintos. Em alguns casos, não é assumindo a condição de vítima ou injustiçado que será a melhor atitude para mudar a realidade ao nosso redor. É preciso olhar com mais clareza, com mais sabedoria para superar alguns clichês.    

When you're gone, I miss...




(...) The pieces of my heart are missing you...

(...) The face I came to know is missing too...

(...) The words I need to hear to always get me through the day and  make it ok I miss you...

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Feliz Natal para todos!!!




Aproveitando a oportunidade, gostaria de externar os meus votos de boas festas a todos vocês e aos seus familiares. Que cada lar encontre muita paz, união, amor e harmonia para celebrar o nascimento do Menino Jesus em nossas vidas.

Feliz Natal e vindouros dias repletos de saúde e prosperidade para todos nós. 

Abração, Dan. 

Sumiu?!!! Já foi tarde.




Louco seria eu se levasse promessas e juras de amor ao pé da letra.  Com o passar do tempo e sentindo na própria pele, eu fui descobrindo que elas se perdem no ar pela ausência de atitude. Atitudes sim, falam mais do que 1000 palavras e não deixam dúvidas, pois é, diante dos fatos não há argumentos. Por isso, esse post será dedicado a todos aqueles/aquelas que envolvem as suas presas no ritual da conquista e depois somem.

O próprio sumiço é o sinal claro e evidente do quanto a sua paquera ou quase pretendente estava envolvida e levava você a sério. Diante dessa atitude silenciosa e intrigante não cabe dar maiores explicações, elas se tornam indispensáveis. Pois, veja bem: Como você vai explicar para alguém (que você não está afim e nem tem a menor consideração) que você simplesmente sumiu  espontaneamente (porquê quis, sem motivos) sem parecer um ser irresponsável, vil ou leviano?!!! Não tem como. Para evitar um desconforto maior e ficar posto a rejeição, é melhor você se tocar. Quem realmente está afim e envolvido, não desiste por nada e logo encontra uma maneira de justificar o motivo do sumiço, seja ele qual for, denotando o seu real interesse, mesmo que seja preciso mover céus e terras para isso. 

Mas, se mesmo assim diante do fato pairar dúvidas e você precisar de respostas, até que ponto vale a pena querer a medíocre e frágil justificativa de alguém que lhe trata como mera opção descartável?!!! Para quê mendigar atenção e afeto para alguém que não tem isso para lhe dar?!!! Talvez essa necessidade seja a oportunidade que o seu orgulho encontrou para desabafar cobras e lagartos, desde que, a sua auto-estima esteja "UP" para não se deixar desdenhar. Muita afronta, né?!!!

Entretanto, na moral, para quê dar ibope e importância para quem não merece nem o seu desagravo?!!! Pense e veja que é melhor você se livrar agora de uma pessoa volúvel e inconstante do que ter mais e piores aborrecimentos no futuro. De fato, não dá para esperar grandes feitos de pessoas assim. Valorize-se e ignore, não perca seu precioso tempo buscando desculpas ou explicações que não irão amenizar o fato da desistência. Quem não honra as calças que veste e não tem caráter para lhe dar uma justificativa plausível para romper, toma um "chá de sumiço" para fugir.   

É melhor virar a página e seguir em frente com dignidade e cabeça erguida. Quem saiu ganhando foi você por ter se livrado de um despacho desse. Deus é sábio, ele sabe o que faz. Sumiu?!!! Já foi tarde. É um favor que você nos faz.

A casa do final da rua, O filme




Mais uma ótima dica de filme. Agora com um temperinho de suspense que eu tanto gosto. A casa do final da rua aborda uma trama dinâmica e intrigante, contando a seguinte história: Uma adolescente (Jennifer Lawrence) se muda com sua mãe (Elisabeth Shue) para uma nova cidade e descobre que a casa vizinha foi a cena do crime de um duplo assassinato. A situação se complica quando a adolescente faz amizade com o único sobrevivente do massacre (Max Thieriot).

Vale a pena assistir, o desfecho é inesperado. 

Limite Vertical, Ofilme




Para quem curte um bom filme de ação e que retrata a falta de ética em questões de caos e de riscos, Limite Vertical propõe essa reflexão sobretudo quando a sobrevivência em grupo está ameaçada e torna-se necessário tomar uma decisão letal para sobreviver. É um filme que prende a atenção. 

Procura-se um amor que goste de cachorro, O filme




O recesso de final de ano está chegando, então, trata-se de um ótimo período para assistir bons filmes. Procura-se um amor que gosta de cachorros é um romance/drama que trata com muita propriedade a complexidade que os solteiros e recém-separados encontram para encontrar novos relacionamentos, tanto da perspectiva masculina quanto feminina, nos dias atuais. Aborda também a questão dos desencontros e das expectativas para cada um de nós  possamos encontrar o "cometa halley" das nossas vidas.  Na verdade, quem não quer não é mesmo?!!! 

Diane Lane e John Cusack tratam dos dilemas dos seus personagens com muita sensibilidade,  conseguindo com que nós olhemos para os nossos próprios dilemas e frustrações. Vale a pena assistir. 

domingo, 23 de dezembro de 2012

Mensagem "Olha no meu olho" by Diego Freire




Quando você estiver falando comigo, 
OLHA NO MEU OLHO!!!

 ;)

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Meu amor, o que você faria se só te restasse um dia?!!!




Eu lhe digo. Faria exatamente o que eu fiz hoje: 


Viver a minha realidade, desfrutando dos pequenos prazeres da vida. 

Ahora, grande hecho del dia



Que dia é hoje mesmo?!!!


Nem confiança. Respeito a superstição dos outros, mas, ..., eu tenho muita fome de vida para acreditar no calendário maia. Por ser tão cético nesses tipos de previsões, me abstenho de qualquer reflexão mais profunda sobre o dia 21, o dia em que o mundo não acabou. E o pior é ter que aguentar a mídia e as redes sociais exaltando algo tão surreal e com tantos clichês. 

Não é a primeira vez que eu sobrevivo aos boatos do apocalipse e aos bugs da rede.  

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Ano 5, parabéns!!!




Quem diria, hoje o "Amém, Desejo... Amém!!!" está completando 5 anos. Tantas reflexões e desabafos passaram por aqui e, nesse período todo, cada post foi acontecendo espontaneamente, sem pretensão alguma. Todas as palavras e imagens contidas aqui sempre  foram completamente sinceras, nada fugiu do que eu pensei ou senti ao postá-las, fossem de alegrias ou tristezas, acertos ou erros, surpresas ou decepções, originalidade ou clichê. Todavia esse carrossel de emoções, ora a flor-da-pele, ora beirando a indiferença, ou num ritmo frenético ou em plena inércia, indiscutivelmente a cada segundo fui eu mesmo, na íntegra.   

Bloggar para mim é muito mais do que passatempo ou lançar o meu olhar e a minha opinião sobre algum assunto, é uma terapia essencial. Me vejo, me leio e releio, escrevendo um manual de mim mesmo, pois esse blog é um pedaço de mim escrito, independente se agrada ou não aos leitores. Palavro não esperando o reconhecimento dos "seguidores" (acumular números não é e nunca será um fim em si mesmo, mas a consequência de quem lê e se identifica com a minha liberdade de expressão), que cada palavra ecoe na vida de alguém promovendo uma reflexão. Se eu conseguir estimular uma reflexão, por mais simples que ela seja, dever cumprido. 

Só me resta dizer que reafirmo mais posts nesse novo ciclo, nesse novo ano que se inicia. Parabéns para mim e para quem curte o nosso blog!!!  

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Será?!!!





"No começo, é preciso deixar a carruagem da esperança passar para as coisas acontecerem." 
(Quando o amor acontecer)




Será?!!! A impressão que eu tenho é que eu estou no clima medieval: A minha carruagem sempre é interceptada por algum fora da lei.

domingo, 16 de dezembro de 2012

No volume máximo


Aquele momento em que você apenas queria escutar o que o seu coração quer ouvir:







(...) "Why you can't raise your voice to say?!!!"

sábado, 15 de dezembro de 2012

O que eu quero?!!!




O que eu quero é tão simples que acaba se tornando complicado - Oops, o ser humano de um modo geral acaba complicando. Eu complico, você complica, quem está ao nosso redor também, criando uma grande rede de comportamentos e valores complicações, assim, qualquer um de nós acaba estando exposto a tudo que colabora para formar o contexto do desencontro. Ninguém está imune a isso, deparando-se há qualquer hora, em qualquer esquina ou situação com alguém que atravessa o seu caminho, encontrando-se perdido, sedimentado por valores e sentimentos rasos e instáveis que desconhecem o respeito pelo próximo, a importância e a responsabilidade de se comprometer com alguém. 

É mais fácil fugir, enganar, não manter maiores e profundos vínculos afetivos e magoar do que se dedicar a construção de uma relação sólida, sincera e estável, pois doar-se integralmente à alguém e investir os seus desejos, sonhos e planos numa parceria é correr riscos, enfrentar e superar obstáculos diários. Indiscutivelmente, não é fácil. Requer foco, determinação, parceria e muito sentimento de ambos os lados. 

Infelizmente, chegamos ao seguinte ponto lamentável: Amar está se tornando cada vez mais uma teoria, baseadas em axiomas e hipóteses regidos por cálculos e regras, e menos prática, porquê a sociedade pós-moderna está tão egoísta, vil e impessoal que não sabe mais praticar esse afeto. Deseja, idealiza, subjetiva, mas não sabe proceder e nem tem a dimensão exata do que fazer com ele.  Agora, justamente nesse exato momento, eu me pergunto: Será que eu sei colocar o amor em prática?!!!

Foram tantos descompassos, tantos desencontros, tantos equívocos, que o tempo não foi o suficiente para conjugar esse verbo em toda a sua plenitude, fazendo que esse tempo todo eu me ocupasse e preocupasse apenas com paixões fugazes e sem profundidade, amores não correspondidos e namoros com prazo de validade. Talvez, nem seja assim, mas é a sensação que eu sinto agora. 

Justamente, por ter plena consciência de como estão contraditórios os comportamentos humanos e rasas as relações, eu prefira me poupar não apostando todas as minhas fichas de uma vez, porquê blefar é uma realidade afetiva. As pessoas blefam a todo instante, por quaisquer motivos. Esse senso de preservação e autodefesa me deixam em estado de alerta, levando-me a desconfiar das pessoas, principalmente aquelas que apresentam comportamentos duvidosos, e evitando que eu me doe cegamente, porquê não dá para ignorar em qual contexto as relações humanas estão sendo construídas. 

A gente acaba percebendo que amar não é um mar de rosas e é entre ressacas e tempestades  que devemos aprender a construir as nossas relações, mesmo quando a fé e a confiança não são as mesmas, antes de experimentar o veneno da primeira picada da decepção. E com o passar das próximas picadas, o antídoto não será tão mais eficaz na cura da dor e do coração partido. Pessimista?!!! Não. As coisas são o que são. Sem filtros ou lentes coloridas. Mas, como se não bastasse, apesar de toda aridez, sempre a fé brota apesar de todo abalo, como se fosse um milagre do mensageiro, ou surge do profano desejo de amar e ser amado.         

O ideal seria que pensássemos menos e sentíssemos, mas isto se somente se estivéssemos no mundo ideal, porquê nesse mundo cão das tentações e da máxima "ninguém é de ninguém", o simples nunca deixará de ser complicado e vice-versa.  

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Já deu!!!




Até seria nobre dar uma segunda chance se houvesse motivos para dá-la, mas, não é o caso. Em algumas situações chega até ser sem sentido, principalmente quando se trata de confiança e lealdade. Depois de algumas repetições, baseadas em comportamentos-padrões  duvidosos (desonestidade, ausência de caráter, vulgaridade, descomprometimento, dentre outros), a minha capacidade para confiar nas pessoas está comprometida e cada vez mais fica explicito o quanto é complicado estabelecer uma relação clara, séria e duradoura nos dias de hoje. Falta verdade nas pessoas. Falta respeito pelos sentimentos dos outros. Falta foco. 

Pra mim, a confiança é como um cristal muito delicado. Uma vez quebrado, irremediavelmente quebrado, aos cacos. E não terá conserto no mundo que o restaure, nem mesmo o tempo, porquê algumas falhas, alguns erros, não caem no esquecimento pela gravidade que representam e as marcas que ficam sempre voltam na lembrança como sinal de alerta, um natural senso de autoproteção. Se no começo da conquista, alguns sinais tornam-se muito evidentes, não dá para negá-los ou ignorá-los, provavelmente piorem com o aprofundamento da relação. 

Não precisa ser nenhum expert ou teórico para perceber isso, basta olhar para os lados e observar e para as suas próprias experiências. Tudo bem que eu sou míope, mas não é do meu feitio fazer vista grossa para as situações e ser indisplicente comigo mesmo. Não dá para abrir mão de alguns princípios e convicções por nada. Sinto muito, não dá. Em nome de quê?!!! E de quem?!!!  Não vou me descaracterizar por ninguém ou qualquer situação que seja, se o fizesse não seria eu. 

E, no conjunto da obra, alguns comportamentos são injustificáveis. Depois, nem adianta vir com a cara mais lavada do mundo, como se nada tivesse acontecido, dizendo palavras doces e dando desculpas frágeis para se explicar. É ruim, heim?!!! Já deu!!! Para nós dois, já deu!!! Nem posso dizer que me chateia a pessoa em questão, mas, como os comportamentos estão tão medíocres e banais, caindo sempre o mesmo desfecho: o esperável desencontro. Cansei desse padrão. 

Quando se trata de conduta duvidosa, a minha tolerância é zero. Sem meios termos. Abro mão de tudo o que deixe inseguro e sem respostas. Se é para estar com alguém que não pode me dar o mínimo que eu acho importante para seguirmos juntos, eu prefiro seguir sozinho. Há momentos em que a solidão é a melhor das companhias e se torna a sua única segurança que você tem que não irá se decepcionar.

De um lado, a legitima vontade de estar com alguém, do outro, o cansaço de passar por mais uma decepção.  

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

All the boys love Mandy Lane, O filme




Yeah, because... 

Mandy Lane is very sexy and so dangerous!!!

Conversinha para boi dormir... Hum, sei!!!




As pessoas deveriam se preocupar mais com os discursos que elas reproduzem para não serem traídas por suas próprias atitudes. Nem falo isso tanto pelo peso da palavra empenha, uma vez que, nos dias atuais, ter palavra e cumpri-la já está em desuso, mas pelas repercussões que uma ação pode causar. Não adianta, contra fatos não há argumentos e a conduta dispensa 1000 palavras em prol de uma justificativa qualquer. 

Faz tempo que eu deixei palavras ditas e promessas em segundo plano na hora de levar alguém a sério. Demonstre-me com ações a que veio, depois disso a gente se acerta. Todavia, quando eu percebo que a ação está na contramão do discurso, já me gera um desânimo e um descrédito, pois como alguém pode passar credibilidade no que diz assim?!!! Definitivamente, não dá para olhar com outros olhos, porquê tudo anda muito frágil e volúvel.

É claro que todo mundo tem o direito de ter as suas contradições. Eu também tenho as minhas, mas, esse direito se acaba quando pode envolver outras pessoas. É fatal alimentar expectativas e sentimentos nos outros, sobretudo, quando você não é capaz de cumpri-las. Infelizmente, muitas pessoas se esquecem dessa dinâmica e não percebem que as suas irresponsabilidades podem prejudicar os outros e colocar relacionamentos em xeque. E não dá para se eximir das próprias culpas e responsabilidades.      

Tudo o que a gente faz para alguém, gera nela uma repercussão. Nada mais, nada menos, do que a materialização da lei da ação e reação. Depois, nem pode se chocar por não compreender a reação do outro, porquê de propósito ou não você desencadeou isso. Cada um tem seus motivos e as suas reações. 

Vou dar um exemplo muito banal para quem está iniciando um relacionamento: Como você quer demonstrar a quem você está cortejando que está com saudades e sente a sua falta, se você se mantém ausente boa parte do tempo?!!! Não dá para convencer com uma dúzia de palavrinhas bonitas e melosas, né?!!! Como você tenta justificar algo se a sua prática é diferente do seu discurso?!!! Comigo, eu me desconfiaria e me chatearia, provocando em mim um certo distanciamento. 

Isso já mencionando que: Quem abre precedentes dessa natureza, acaba abrindo espaço para à concorrência. Fato. Não fui eu que inventei essa regra e ela é clara, claríssima diga-se de passagem. E quem realmente quer, acaba encontrando uma solução para não desaparecer, até porquê, alegar excesso de trabalho e o corre-corre do dia-a-dia é conversinha mole para boi dormir. Justificativas assim não convencem quem já está passado na casca do alho,  tem quilometragem rodada e anos de pista. 

É até difícil de engolir. E se engole, pode ser por dois motivos: Muita inocência ou a preferência de fazer vista grossa e evitar maiores conflitos. Deixa-se enrolar pela conversinha quem quer. Hummm... sei.          

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Num piscar de olhos...




"Eu deveria saber que não se deve contar com o futuro. Só se pode acreditar no agora. Nesse momento. Porquê num piscar de olhos, tudo pode mudar."

(Dexter, S7E11)

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Chega logo!!!



Chateado, arrasado, porém resignado!!!




Dificilmente, eu ganho algum concurso ou sorteio e, quando acontece, algo dá errado. Enfim, quando não é para ser, não adianta. É nessas horas que a inteligência emocional faz toda a diferença. Apesar da chateação, não tem como não ficar por ter pedido o show da Madonna com tudo pago e ainda com acompanhante a tiracolo, eu resolvi me resignar, afinal de contas não tem como mudar mesmo a situação. Revoltar-me não adiantará em nada. É o jeito engolir à seco  e fazer cara de paisagem, literalmente.

Quanto ao MDNA, só não estava presente, mas desde abril/2012 que eu venho acompanhando a performance dela em diferentes países via youtube!!! Outras tours virão!!! rs... 

Ai que ódio!!! Eu perdi o show da Madonna por descuido.




Ai que ódio!!! 


Eu perdi o MDNA em São Paulo (04/12) porquê eu não abri o meu e-mail há 13 dias atrás. Eu fui um dos 150 ganhadores do Projeto "Você no show da Madonna" realizado pelo site "Keep Walking Brasil" no facebook:

Boa tarde,
Caro(a) Sr.(a),
Temos o prazer em comunicar que você foi o vencedor do PROJETO CULTURAL "Você no show da Madonna" (“Projeto”), realizado pela Diageo Brasil Ltda.
Para efetivar o aceite do prêmio, você deverá entrar em contato com o telefone que segue abaixo na assinatura do e-mail, para preencher todas as informações necessárias incluindo os seus dados e os dados do acompanhante. Após este contato telefônico enviaremos o regulamento por e-mail e o Sr.(a)  terá 24h após o recebimento para preenche-lo e enviar as informações via e-mail. O não envio do regulamento preenchido no prazo máximo de 24hs implicará na desclassificação automática do premiado.
Parabéns por ser o ganhador do Projeto Cultural , e após o recebimento deste e-mail entre em contato imediatamente com nossa central de Confirmação.

Obrigado.

Equipe RSVP - Projeto Cultural "Você no show da Madonna"


Apenas me preocupei em olhar na relação oficial dos vencedores, pois, até então, eu não sabia que era necessário confirmar, já que no regulamento no site não avisou nada sobre a confirmação. Puta que pariu, que vacilo!!! Deprimi!!!

domingo, 9 de dezembro de 2012

Mesmo sem saber...




Baseando-me apenas na primeira impressão




Às vezes, a gente reclama tanto de que não aparece ninguém especial na nossa vida e, quando surge, a gente não sabe o quê fazer com ela.  Pois bem, isso acontece muito mais do que a gente pensa. Se é ou não especial, eu ainda não sei, por isso, eu resolvi dar uma chance para o tempo me mostrar de fato se a minha primeira e boa impressão de que vale a pena investir está correta e reconsiderar algumas implicâncias minhas - Antes, o que estava me incomodando (ausência e outros supostos contatos paralelos), agora, eu estou lidando melhor e deixando a birra de lado. 

Nem sempre ausência quer dizer indiferença e interagir com outros contatos seja galinhagem, pelo menos, espero que não seja esse o caso. Resolvi relevar, talvez eu esteja preparado para viver esse encontro, onde estamos fazendo que cada contato, apesar de espaçado (eu até prefiro assim, porquê eu não sou fã de grude), esteja se tornando cada vez mais intenso, demonstrando uma aparente sintonia e empatia e as regras dadas e aceitas estão sob o meu comando - sinto-me bem mais satisfeito assim, coisas de libriano. Não estou impondo nada, tudo decidido de comum acordo.

O fato é que as coisas estão caminhando bem, sem precipitações e correrias, muito embora, eu sempre fique na retaguarda, com os dois pés atrás, porquê eu tenho dificuldade de crer cegamente em tudo o que me dizem quando se trata de elogios, juras de amor e promessas, afinal, eu tenho motivos de sobra para ser desconfiado. Hoje em dia, é preciso ter muito cuidado com a fragilidade das relações e a volatilidade das emoções, pois, o terreno afetivo anda cada vez mais pantanoso.  

Eu pretendo me dar uma nova chance para nós dois. Tomara que eu não me arrependa. Apesar de, mesmo tendo toda cautela, não existe garantias para isso, pois os desencontros têm dinâmica própria, baseadas nas nossas regras e padrões. Vou apelando para a minha autoconfiança.  

Um olhar do paraíso, O filme




Para quem quer se emocionar, esse filme é muito singelo. Retrata um assunto delicado e pesado de maneira leve e muito sutil, sob a perspectiva espírita, abordando a tragédia vivida por Suzy e a sua família após ela, uma adolescente de 14 anos, ter sido morta por um serial killer que morava na sua rua. Eu, particularmente, não esperava nada do filme, mas, eu me surpreendi positivamente. 

Só faço uma ressalva quanto ao final: Se fosse eu, eu teria feito um desfecho diferente, fazendo a justiça dos homens. No mais, é um bom filme.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Dicas de filme para o final de semana




Que tal um final de semana de suspense/terror?!!! Eu escolhi 5 filmes bem legais com temáticas diferenciadas para entreter e arrepiar os mais sensíveis:








1º) 9 mortos






Ele segue a linha de jogos mortais, tendo um enredo bem construído e toda a história bem intrigante. Conta o rapto de 9 vítimas e encarceradas num galpão, unidas por um misterioso motivo em comum. Elas precisam descobrir o porquê delas estarem ali e, a cada 10 min, se não descobrirem, o sequestrador vai matando um de cada vez. 



2º)  A casa de cera






Um grupo de jovens pegam a estrada para assistir um jogo de futebol americano, mas são atraídos para uma misteriosa cidade, onde há uma casa de cera. Chegando lá, precisam escapar de lá com vida.



3º) Conversando com os Mortos






Um grupo de jovens viajam para uma casa no lago para festejar um dia santo no dia do fenômeno do Solstice. Se deparam com um mistério e acabam entrando em contato com um espírito que precisa de descanso eterno.



4º) Os mensageiros I e II






 Uma história trágica que aconteceu numa fazenda passa a interferir na vida dos novos proprietários, recém chegados na cidade, através de situações estranhas. A curiosidade nesse filme é a performance da Kristen Stewart, sendo a melhor atuação dela como atriz.

Embora, a continuação desse filme, The messengers 2, não tenha relação com o primeiro, também se trata de um bom filme.



quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Colisão: forte, intenso, devastador... Coisas de Halley!!!




"Algumas pessoas encontram o amor, eu tive que colidir com ele".
(Halley by How to deal)

♪♫ Tremolo - Promise ring



(...) Hello you, hello me, hello, hello
Can't you see?
Love is more than, more than it seems...

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Será que isso existe?!!!




Em alguma coisa você tem que acreditar.

domingo, 2 de dezembro de 2012

El eterno dilema entre corazón y razón





(...) Mi destino es la pasión 
Me divide sin piedad 
Y una parte se quiere amar 
Y la otra escapar 

Mi mente nos aparta 
Y el corazón te llama 
Y si mi mente olvida 
Mi corazón se muere 

Mi corazón ya 
No tiene remedio 
La eterna soledad 
Viviendo aquí en mi pecho... 

"As lágrimas não reparam os erros!!!"

The Verve - Bitter Sweet Symphony (with lyrics)

♫ Pitty - Na sua estante

"Eu não ficaria bem na sua estante..."